Quarta-feira, 13 de Janeiro de 2010

Tenho uma amiga que escreve assim:

"O amor que lhe tinha era tanto quantos os grãos de areia que fechou na sua mão naquele longínquo dia, naquela longínqua praia. Tentou contá-los, um a um. Embebedou-se com o brilho desse punhado de milhares de milhões de grãos de areia e percebeu-os doutra maneira, ali mesmo enquanto os observava. Eles eram a eternidade que ele nunca poderia alcançar. Eles eram os anos que irremediavelmente ficavam por viver até ao fim da eternidade. Eles eram os curiosos e brilhantes seres que habitavam o mesmo planeta que ele, mas também outras galáxias, e que ele jamais iria conhecer. Eles, pequeninos e infinitos, eram mais do que aquilo que alguma vez viria a ser. E uma gaivota riu-se.
Passou um Verão inteiro, mergulhado em grãos de areia, enquanto ela, sua adversária, bronzeava o corpo já moreno e lambia, secretamente, o sal parasita que se depositava nos seus braços de sereia. Ele amava-a, mas tinha descoberto que mais importante que esse amor infinitamente belo eram os grãos de areia. Esses tais que o metiam a pensar e a engendrar esquemas matemáticos para escapar à mortalidade humana que desprezava. Ele podia ser uma hipótese eterna. Ele podia ser um quebra-cabeças que milhares de milhões de homens, tão minúsculos e interessantes quanto os seus grãos de areia, iriam estudar e nunca, em parte alguma das suas contas, iriam perceber.
Desafiaria toda a ciência e até o próprio e hipotético Deus, ser omnipresente a quem recorria quando não tinha sequer dinheiro para pagar a uma prostituta por um quarto de hora ou uma hora num quarto. Tarde demais. Os grãos fugiram-lhe por entre os dedos. A sua sereia, seca e salgada, aconchegou-se e adormeceu e sonhou com ele. E ele viu e ouviu tudo e compreendeu: era estar ali, no melhor dos melhores momentos da sua vida, ou era partir de encontro à eternidade.
Anos confusos e escuros passam-lhe pelos olhos e quase esquece essa história da praia. Lava-se com água morna e um sabão azul e branco. Veste roupa interior lavada e há quem lhe ofereça umas peúgas novas e quentes. Faz a sua rotina, desde o banho ao pequeno-almoço. Esquece que já foi alguém que esteve perto de descobrir a chave da imortalidade. Ofende esse mesmo ser omnipresente que outrora desafiou. Depois arrepende-se e pede-Lhe desculpas e oferece-se para Lhe limpar a casa.
O mundo tornou-se numa aldeia grande, onde toda a gente o conhece e despreza. Conclui que o seu velho fato já a nada nem ninguém impressiona. Mete nojo aos mais novos e pena aos mais educados. Mas ninguém lhe oferece mais do que um olhar expressivo. E é aí, perante esses olhares de nojo e pena expressos, que se recorda dela e se arrepende para o resto dos seus dias. De tudo. Dele próprio. Do nojo que se tornou. Do banho diário e da caridade cristã. Da devoção que ele próprio teve por esquemas erráticos e contas envenenadas. De nunca a ter olhado nos olhos. De nunca ter recolhido dos seus lábios a simplicidade do sentimento mais complicado e cobiçado por todos: o amor."

 

 

O blog é escuro, mas a sua escrita é brilhante.

 

Index:

5 brutos comentários:
De cristina a 14 de Janeiro de 2010 às 01:51
Simplesmente emocionada.


De adnirolfpa a 14 de Janeiro de 2010 às 11:38
Sempre soube que esse teu geito malvadinho e atravessado é apenas um embrulho....tu és mesmo assim : sensivel, observador, humano.
Fui lá. Li. Gostei muito e comentei.
Aqui , aqui deixo o agradecimento pela chamada de atenção


De A.Bruto a 2 de Fevereiro de 2010 às 01:36
desculpa os comments tardios. Obrigado, mas tu não me conheces.
E a miúda escreve bem pra catano.


De drink a 14 de Janeiro de 2010 às 12:04
flor, jeito é com j e não com g.
e eu ainda não li, já fui lá mas ainda não li.
vou só ali e já venho ler.


De A.Bruto a 2 de Fevereiro de 2010 às 01:36
e ATÃO??? JÁ LESTEEESS?? HÃ???


Comenta-mos

.nada sobre mim

.Pesquisa-mos com carinho

 

.últimas pústulas

. Metal Machine Music

. ...

. Islândia: Governo demitiu...

. Querida Europa

. Qualquer dia, tomo uma ca...

. O Quarto Profeta do Kudur...

. Máquina

. desta vez, Pravda signifi...

. Tudo

. Mensagem da Sra. Ministra...

. Augusto Bruto é

. ...

. Parque Privativo

. hoje seria um bom dia

. La quê de la quê??

. "Denial is a river in Egi...

. Life is very short, and t...

. O Ó que o som tem

. Quarto Escuro

. Humor Fálico

. "Para jogar à bisca, domi...

. Vídeo das Férias de Verão

.Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
28
29
30
31


.Pústulas Saradas

.Index

. todas as tags

.Coisinhas boas de se ler

. FELICIDADE

. INTROSPECÇÃO (II)

. PORQUE A MÃE JÁ TEM CARA ...

.Linques

.Donde vindes?

.Contai-vos

.Tuíta-mos

blogs SAPO
RSS